PERGUNTARAM DE VOCÊ ONTEM

Perguntaram de você ontem, tava tocando Blink e você já deve imaginar que, por coincidência ou não, era a nossa música. Tinha tanto tempo que eu não escutava nem o seu nome que meu coração gelou na mesma hora. Eu ainda não estava pronta para ouvir um nome que não fazia mais parte da minha vida, nem ver a saudade gritando assim tão descaradamente para mim. Eu estava numa daquelas festas de família que você nunca se importou em ir, a nossa lista de prioridades sempre esteve invertida para nós dois. Enquanto eu abria mão de qualquer momento que não fosse ao seu lado, você colocava todos os outros na minha frente.

 Enquanto você era o topo da minha lista, na sua o meu nome nem estava.

Eu levei uma porrada quando ouvi seu nome, mas não sabia que doeria, mesmo depois de tanto tempo. Na hora eu disfarcei a lágrima que brotou nos olhos, sequei como se fosse ardência da maquiagem velha. Mas era o coração que ardia. Ninguém desconfiou que eu ainda sinto sua falta. É que eu achei que seríamos para sempre, sabe? Na minha cabeça nunca passou a ideia do fim. Do nosso fim. Eu acreditava que seríamos sempre nós.

Dizem que para todos os finais há um recomeço e que há sempre algo belo no meio de um término, mas eu ainda não encontrei brilho maior do que o dos seus olhos tão gigantes. Eu poderia te dizer algumas metáforas, fazer analogias para ver se dessa vez você entende o tamanho da falta que você faz e como foi difícil te deixar ir embora, mas você não entenderia. Eu esperava até um sinal de fumaça seu só para dizer que me amava. Esperava qualquer migalha sua, mesmo que não fosse amor.

Eu vi que você seguiu a vida, né? Parece que para você o nosso fim nunca nem existiu. Não sentiu minha falta, virou as costas sem dar aquela olhadinha antes de ir embora de vez. Nenhuma mensagem depois do adeus, nem mesmo um telefonema por engano. Você nunca foi de ter medo, nunca me disse no meio das nossas conversas nas noites de insônia que tinha medo de que eu fosse embora para sempre e nunca mais voltasse. Parece que você sabe lidar bem com finais, né? Acho que a nossa diferença é essa. Você nunca sentiu a garganta pulsando por causa das batidas do seu coração quando me via, enquanto meu coração batia tão forte que eu engolia para não sair pela garganta. Não sei para você, mas você foi meu grande amor. Infelizmente a gente nem sempre é o amor da outra pessoa.

Seus amigos me disseram que você tem alguém. Não consigo me sentir feliz por você, desculpa. Pode até parecer egoísmo, mas não é, juro. É que eu queria você entre tantos outros caras. Eu acreditei que estávamos ligados. Talvez aquela lenda “Akai Ito” nunca serviu para nós. O nosso laço rompeu. A gente se enrolou demais, tantas curvas, idas e vindas que o fio arrebentou. Talvez ele nunca tenha existido.

Eu fiquei sabendo que você anda feliz, mas não imaginei que era tanto.

Deixe uma resposta